Recid MS fomentadora da unicidade de lutas populares

IMG_1577

No último sábado (18), a Rede de EducaçãoCidadã do Mato Grosso do Sul, realizou uma reunião ampliada, com o intuito de fazer uma análise de conjuntura do cenário atual, após 100 dias de governo, pontuando as perspectivas de fortalecimento da Recid no MS e nacionalmente.

O encontro reuniu cerca de 30 militantes, de diversos movimentos e organizações sociais: Forum de Juventudes, Coletivo Terra Vermelha, LGBTs, Coletivo Jovem do Meio Ambiente, Comitê Estadual de Enfrentamento a violência de jovens, Rede Nacional de Jovens Comunicadores, EMAU (escritório modelo de arquitetura, baseado em Paulo Freire), Capoeiristas, Movimento SOS Cultura,Rua – Juventude Anticapitalista, Movimento indígena, negro e comunidade quilombola.

Diante do cenário político debatido pelo grupo, analisou-se a necessidade da Recid enquanto fomentadora das articulações e unicidade das lutas das diferentes organizações populares, dar prosseguimento ao trabalho de formação em direitos humanos na busca emancipatória dos  .

Ainda sobre as reflexões, o coletivo, acredita no fortalecimento em Rede, na aproximação das organizações do campo e da cidade, na perspectiva de expansão e avanços nas lutas da sociedade civil. Talvez como bandeira deste novo período em que as decisões no Congresso Federal tem desrespeitado a vontade popular, as reformas estruturais, sejam o pilar para transformação do que está sendo imposto com a tramitação e votação de PLs e PECs de viéz extremamente conservadoras e que atingem principalmente as camadas populares.

Mas, enfim, qual nosso papel enquanto Recid nesse cenário? E como fazer cumprir? Observando que as propostas são reconhecidas pela Recid, inclusive de uma avaliação nacional neste aspecto e que há um consenso sobre o que fazer durante esse período, da necessidade de fortalecer politicamente, portanto, a ideia é definir como e quem são os sujeitos que o farão. Quais coletivos, organizações e movimentos de fato se envolverão nesse processo? Neste sentido, criou-se uma coordenação de transição composta por 12 pessoas de diferentes movimentos, que tem o papel de animar esse processo.

Esta comissão procurará formas alternativas de se encontrar, tendo como principais pautas para a próxima reunião: o mapeamento dos movimentos e organizações populares; Reuniões com seus dirigentes que motivem a construção da Rede; Pensar em GTs temáticos – responsáveis por construir por proximidade de tema; Agenda de conversas com os movimentos sociais, e apresentação da Recid.

IMG_1581Da conjuntura

A metodologia de análise de conjuntura partiu de cinco elementos baseando-se na obra de Betinho “Como fazer análise de C ”:

1) Acontecimentos (nesses 100 dias de governo)
2) Cenário (em qual lugar se desenvolve)
3) Quem? (atores e atrizes)
4) Relação de forças
5) Estrutura da sociedade (como está organizada)

 

Abaixo, quadro síntese dos elementos trazidos pelo coletivo:

 

Acontecimentos Cenário Quem? Relação de forças Estrutura da Sociedade
Atos dias 13 e 15 de março – território nacional– capital e alguns municípios – Campo democrático popular– Campo direita não democrática (ficção mídia)Povo Brasileiro

X

Apoiadores do governo

(Realidade)

Burguesia e setores da classe média

X

Movimentos sociais

Reorganização das classes
PL 3239 Quilombo / territórioPL 4330 Terceirização

PEC 315 Funai

PEC 171 Redução

PEC 352 contra reforma

– Nacional– Organização movimentos estaduais – Congresso– Movimentos – Rapa– PT, PCdoB, PSDL – Sociedade civil organizada– Partidos movimentos etc
Redução da maioridade penal Congresso Nacional Empresas, autoridades, sindicatos e congresso Sociedade e bancadas do congresso Articulação seria uma resposta rápida para uma segurança falha
Reajuste fiscal   Ministro da fazenda, empresários e midia Articulação econômica Economia do pais, crise capital
Manifestações devido a reeleição da presidenta   Mídia de partidos de direita   Luta de classes
Redução da maioridade penal Congresso Nacional Empresas, autoridades, sindicatos e congresso Sociedade e bancadas do congresso Articulação seria uma resposta rápida para uma segurança falha
Reajuste fiscal   Ministro da fazenda, empresários e mídia Articulação econômica Economia do país, crise capital
Manifestações devido a reeleição da presidenta   Mídia de partidos de direita   Luta de classes
Mobilização Nacional do índio Brasil Povo indígena e sociedade civil Democracia X extermínio Organização popular
LOCAL:
SOS CULTURA Capital do MS – Direita golpista evangélicaX

Trabalhadores artistas

– André Puccinelli e seu aliados (vereadores)-Trabalhadores /sociedade

– Tucanos

– Senso comum conservador– Organizações fragmentadas
Troca de governo e continuação da política centralizadora MS Políticos Governador, apoiadores políticos X população Organizações da sociedade civil e sistema político
Extermínio dos jovens negros MS Campo Grande      
Medalha para Bolsonaro Campo Grande Bolsonaro e sistema militar Militar  

Para Maria Rosana, professora, mestre em letras pela Universidade Estadual de MS, militante do coletivo de mulheres do PT, ao fazer a análise do cenário político atual, responsáveis pelas decisões que refletem em toda sociedade, recorda que uma das últimas manchetes da revista veja, diz que finalmente o Brasil esta livre das malhas trabalhistas, acreditando que a partir de agora o Brasil vai se desenvolver. Rosana diz que o Brasil é o maior país no que tange a democracia nas urnas, pode-se dizer, segundo ela, que a democracia brasileira é de qualidade. Porém, acredita-se que ao derrubar o regime militar, e derrubando o capitalismo do país, construiria-se a democracia, entretanto, não se pensou em como trabalhar essa questão, justamente por não haver a compreensão conceitual sobre o que significa “democracia”. Reafirma ainda que a discussão sobre o tema, precisa ser aprofundado, visto que é a forma de eleição hoje no país, a de eleger quem irá nos representar.

Marcel Farah, educador popular, levanta o mote de que 40 milhões de pessoas ascenderam à classe media no Brasil. Mas estas pessoas ascenderam à classe média ou foi uma parte da classe trabalhadora que ascendeu financeiramente? Classe média ou classe trabalhadora, será apenas uma questão de  ? Questiona o educador, e continua dizendo que a visão de mundo da classe média é uma vida de shopping center, com educação privada, transporte individual, seguro de saúde privado, e muita concorrência, meritocracia, uma vida regida pelo mercado e pela mercadoria.

Por outro lado, a visão de mundo da classe trabalhadora é outra, baseada na colaboração e solidariedade com serviços públicos universais que garantam direitos para todas as pessoas, educação, saúde, transporte, responsabilidade ambiental etc. Farah conclui dizendo que a opção por política públicas não emancipatórias reproduz e fortalece uma visão de mundo incompatível com um projeto democrático e popular de sociedade. Portanto, uma mudança na perspectiva pedagógica das políticas públicas é necessária, assim como a retomada do debate sobre reformas estruturantes que atinjam as causas das desigualdade e não apenas seus efeitos.

Por fim, foi ressaltado no debate que a mídia conservadora é responsável pelas repercussões de todos acontecimentos públicos, os escândalos, por exemplo com a Petrobras, são manipulados para atingir a determinados fins políticos.   Enquanto não houver reformas populares, democratização da mídia e uma educação verdadeiramente libertadora, dificilmente (parafraseando Paulo Freire) o educando será libertado, pelo contrário se tornará opressor. A Recid tem uma tarefa primordial de fortalecer as organizações populares e sensibilizar a populações em geral de seu papel na sociedade.

IMG_1612

Momento da entrega dos Certificados da 2ª Etapa – Escola de Formação Popular, certificada pela UFMS, como curso de extensão acadêmica.

Rede de Educação Cidadã MS

3 comentários em “Recid MS fomentadora da unicidade de lutas populares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*